Artboard 7_2x-8.png

15/DEZ
​às 19h (quarta-feira)

PALESTRANTE

Dora de Alcântara

____

PROGRAMA

 

Bruno Procópio

cravo

JACINTO DO SACRAMENTO

Tocata em Ré menor

 

SOROR DA PIEDADE

Discurso de 1° Tom

 

JEAN-HENRI D’ANGLEBERT, 

Trechos da 1ª Suíte em Sol Maior

Prélude

Allemande

Courante

Double de la Courante

2° Courante

Sarabande

Gigue

Chaconne Rondeau

 

FRANÇOIS COUPERIN

Trechos Variados

Les Sylvains

Troisième Prélude

Les Grâces Incomparables ou La Conti

L'Hymen-Amour

La Manon


 

CARL PHILIPP EMANUEL BACH

Sonata Württemberg n° 3 em mi menor

I. Allegro

II. Adagio

III. Vivace

Outeiro da Gloria 1.jpeg

Foto: Raffaella Bompiani

NOTA DE PROGRAMA

Um lugar onde se observa  a sobriedade da arquitetura religiosa portuguesa. Onde o Tenente-Coronel José Cardoso Ramalho, por sua formação militar insere, em seu projeto, singularidades que tornam esse um espaço especial. Onde a simplicidade externa contrasta com a riqueza de sua linda azulejaria. Esta é a Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, que descobriremos através dos comentários da arquiteta Dora de Alcântara e de contribuições lúdicas do cravista Bruno Procópio.

 

Abrimos nosso programa falando da austeridade externa, com suas paredes pintadas de branco e suas pedras calcárias. Um prédio que adota a elipse das curvas barrocas, mas guarda o retilíneo, ao tratá-la em forma poligonal. Pilastras que com sua verticalidade acentuada evoca a espiritualidade medieval, elementos que compõem este harmonioso conjunto. Na música, ouviremos a Tocata em Ré Menor, de Jacinto do Sacramento, e o Discurso do Primeiro Tom, de Soror da Piedade, ambos compositores portugueses do princípio do século XVIII que apresentam uma música sem ornamentação ou variação e com uma escrita bem vertical. 

 

O contraste entre a sua simplicidade externa e a riqueza interna poderá ser observada já ao entrarmos na igreja, pela sacristia e percorrermos seus corredores de acesso à nave, onde encontraremos figuras fidalgas, em seus lazeres.  Neste momento, ao observarmos as representações de caças de seus azulejos, lembraremos das “Véneries”, um modismo estético muito inspirado pelas caçadas da nobreza na corte de Luís XVI. Traremos essa atmosfera apresentando uma música deste compositor pessoal da câmara de Luís XVI, Jean-Henri d’Anglebert. Repararemos em sua música Ëxtrait de la première Suite em sol maior como o uso da ornamentação se contrasta em relação a simplicidade do fraseado das melodias das obras anteriores. 

 

Ao entrarmos na nave, veremos outra representação na azulejaria, a dos Cânticos dos Cânticos, um texto bíblico onde Deus é percebido através do sentimento do amor humano.  Um amor que ecoará nas cordas do cravo de Bruno Procópio através da música delicada, sensual e feminina de Extratos Variados, de François Couperin.  

 

Finalmente, ao observarmos a talha em madeira que traz um rococó final, já com elementos do neoclássico, ouviremos a obra Sonata em Ré Menor nº 3 Württemberg, de C.P. Emanuel Bach, compositor que foi um grande representante de um importante movimento cultural germânico de meados do século XVIII, o Empfindsamkeit (estilo sensível).  Um movimento que representou a expansão do iluminismo para o mundo da arte e que esteticamente pertence à órbita do rococó, recebendo influência de outros movimentos como o romantismo e o classicismo.

Outeiro da Gloria 2.jpeg

Foto: Raffaella Bompiani

Endereço: Praça Nossa Senhora da Glória, nº 26 - Glória | Rio de Janeiro

Screen Shot 2021-11-24 at 9.59.16 AM.png

Patrocínio

Screen Shot 2021-11-24 at 9.59.21 AM.png

Realização

Screen Shot 2021-11-24 at 9.59.49 AM.png
Screen Shot 2021-11-24 at 9.59.26 AM.png

L